RICO ENTRE OS MELHORES

1
4
Charge de O VALE integra ilustrações escolhidas pelo jornal da ABI, sobre fatos de 2011

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

Uma charge publicada em novembro do ano passado por O VALE, de autoria do cartunista Rico, foi incluída entre as ilustrações de 2011 em uma seleção realizada pelo jornal da ABI (Associação Brasileira de Imprensa).

O trabalho, que analisa de forma bem humorada os papéis desempenhados por policiais militares e estudantes, que ocuparam irregularmente o prédio da diretoria da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (Universidade de São Paulo), foi publicado em uma compilação que reuniu outros cartunistas e chargistas de peso, como Angeli, Jean Galvão e Aroeira.
“Fiz essa charge já no fim da ocupação, quando os policiais tomavam o controle da Universidade. O primeiro questionamento que fiz foi como isso acontece em uma universidade da envergadura da USP?”, conta cartunista.
A síntese do desenho é feita por ele sem grandes teorias. “Na charge que fiz, os estudantes estavam sendo punidos por aquilo que estavam reivindicando”, explica ele.
No traço de Rico há um policial correndo atrás de alguns estudantes com um cassetete feito de maconha – já que o motivo de um grupo de estudantes reivindicar a saída da PM do Campus da universidade seria o patrulhamento sobre o hábito de fumar a em locais da Cidade Universitária.

Criação. O ato de criação está diretamente ligado à uma emissão de opinião, totalmente contrário à ideia de que criar uma charge é fazer piada. “Ao contrário do que muita
gente pensa, a charge não nasce por inspiração súbita, mas a partir de quando eu me informo. Sempre me inspiro em uma frase do Millôr Fernandes que diz: ‘inspiração é para amador. O profissional trabalha’”, ressalta, entre risos.
A concepção que Rico tem utilizado em seus trabalhos segue uma escola diferenciada da maior parte dos chargistas.
“Estou saindo um pouco do formato de charge do Brasil, que é sempre na base do diálogo
com uma piadinha. Quero que o leitor veja e reflita. É legal rir, mas tem que ter a reflexão para acompanhar”. Na mesma linha, ele cita outro exemplo de charge sua feita recentemente, sobre o Brasil ter ocupado o 6º posto entre as maiores economias mundiais e o contraste do IDH(Índice de Desenvolvimento Humano), que avalia a qualidade de vida da população e coloca o país na posição número 84, em um total de 187 países. “Se não tiver uma opinião para dar, o desenho não sai”.

Técnica. Embora seja assumidamente um chargista online durante boa parte do dia para se manter atualizado, seu método de trabalho é analógico. “Faço da forma tradicional, no papel, com arte-final em (tinta) nanquim. A única parcela digital é a colorização”. Com 21 anos de profissão publicou seu primeiro desenho aos 13 anos -, o mineiro de Manhuaçú, Valfrido Ricardo (daí o apelido de Rico) Martins, não credita seu sucesso a um talento inexplicável, mas à arte de nunca ter desistido. ●

Perfil
Valfrido Ricardo Martins, o Rico, é cartunista e chargista profissional há 21 anos. Sua primeira publicação profissional foi aos 13 anos, em um jornal de sua cidade natal, Manhuaçú (MG), onde reside até hoje.
A seleção feita pelo jornal ABI está disponível no link: http://migre.me/7t3yC

Fonte: Jornal O VALE

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCIDADES, ENCHENTES E O MINISTRO
Próximo artigoVereadora Maria Imaculada Dutra Dornelas desabafa
Dr. Fábio Araújo de Sá – Médico formado pela UFJF – CREMEMG: 28610 Diretor da Clínica Médica São Lourenço Membro Efetivo da Academia Manhuaçuense de Letras – Cadeira º 35 Cargos já exercidos: - Diretor de Patrimônio da APAC (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados). - Diretor Executivo da Tv Catuaí – Canal 11 – Manhuaçu – MG - Secretário de Sáude de Manhuaçu - Chefe do Pronto-Socorro de Manhuaçu

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here