Atingidos por barragens acampam em Abre Campo

1
3
Além dos acampados muitas pessoas das comunidades próximas participaram da manifesta-ção

Estiveram acampados, durante uma semana, na zona rural em Abre Campo, cerca de ses-senta proprietários rurais atingidas pelas barragens de Emboque e Granada, representantes de co-munidades próximas e integrantes de sindicatos e movimentos sociais. Entre os dias 20 e 27 de se-tembro, os manifestantes reivindicavam da empresa Brookfield, responsável pelas hidrelétricas no município, a resolução de vários problemas gerados pelas obras, erguidas há quinze anos.
Entre as principais reivindicações estão a construção de estação de tratamento de água e es-goto, de fossas sépticas, de pontes e recuperação de estradas e casas danificadas. Os manifestan-tes solicitam também alternativas de geração de emprego e renda permanentes, já que a economia na região foi afetada diretamente.

DIÁLOGO
O protesto deu resultados e os acampados foram ouvidos. Antônio Fonseca – diretor de meio ambiente da Brookfield, este no local e conversou com os manifestantes. Ele não fez promessas, mas garantiu que as negociações vão continuar. Segundo Fonseca, os erros cometidos pelas anti-gas donas das barragens, a Brascan e Cataguases Leopoldina, não vão se repetir, o que deixou os mobilizadores mais confiantes. Participaram da assembleia quase duzentas pessoas interessadas no assunto. No meado do mês de outubro, ocorrerá um novo encontro para o avanço do diálogo e a formação de um grupo de trabalho que pretende rever a pauta de solicitações apresentada.
Segundo os organizadores da mobilização o principal objetivo da iniciativa foi atingido, que foi estabelecer uma comunicação coma empresa responsável pelas barragens. “A conversa com a em-presa foi animadora, mas não devemos ficar iludidos com boa vontade. O que vai garantir as con-quistas será o avanço da organização dos atingidos e a construção coletiva das lutas populares co-mo este acampamento. Foi por causa do acampamento Silvio Ziquita que a empresa esteve aqui” – declarou Thiago Alves, um dos coordenadores do MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens.

SEQUELAS
Em novembro de 2010, um relatório foi aprovado pelo Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, ligado à Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, que constata a violação dos direitos humanos provocados com as obras das hidrelétricas.
O acampamento, denominado Silvio Ziquita, foi erguido às margens do lago de Emboque. Ele recebeu este nome em homenagem a um atingido pela barragem que se enforcou, segundo amigos e parentes, devido à intensa pressão da empresa para que ele abandonasse suas terras. Um memo-rial foi construído no acampamento para lembrar os inúmeros trabalhadores vítimas dos alagamen-tos.
O Incra – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – esteve no acampamento, na tarde de terça-feira, 27, cadastrando as famílias que participavam do protesto e não possuem terra.
Nossa reportagem pode conhecer melhor a história do agricultor Gualberto Clemente Pereira, de 54 anos e pai de três filhos. Ele, que chegou a trabalhar na construção de uma das barragens, há uma década e meia, tenta receber uma indenização justa pelas terras alagadas. Muito emocionado, Gualberto contou que recebeu apenas cerca de um mil reais pela perda de suas terras, o mesmo que receberam seus nove irmãos. Além da parte mais produtiva da propriedade, sua casa também foi coberta pelas águas. Hoje, sustenta a família como diarista na redondeza. Os três filhos, por falta de opção de emprego, foram morar em Belo Horizonte.

Foto e texto – Senisi Rocha

[nggallery id=79]

COMPARTILHAR
Artigo anteriorA POLÍTICA DA EMENDA
Próximo artigoGlobo X Record e a construção social da realidade
Dr. Fábio Araújo de Sá – Médico formado pela UFJF – CREMEMG: 28610 Diretor da Clínica Médica São Lourenço Membro Efetivo da Academia Manhuaçuense de Letras – Cadeira º 35 Cargos já exercidos: - Diretor de Patrimônio da APAC (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados). - Diretor Executivo da Tv Catuaí – Canal 11 – Manhuaçu – MG - Secretário de Sáude de Manhuaçu - Chefe do Pronto-Socorro de Manhuaçu

1 COMENTÁRIO

  1.    Fábio estou muito feliz por descobrir este seu lado humano,sensível as dores e injustiças sociais.
       O mundo dos oprimidos, e dos esquecidos, clama por solidariedade, por ações rápidas, por denúncias de abusos aos humildes trabalhadores que são responsáveis pelo desenvolvimento do país, e tão covardimente desrespeitados, lesados, e comrropidos pelo egoísmo, e ganância de seres sem escrúpulos, corruptos…seres assim têm que serem caçados, detidos, e exterminados de vez, pois há risco de epdemia…É de doer tanta covardia com os menos favorecidos!
        Parabéns! Continue, não exite, não dê trégua, denúncie…Tenha certeza que surtirá efeito, e muitos  estarão com você,seja autêntico, e sincero. Aproveite esta chance que Deus está te oferecendo, são a poucos que Deus confia o povo sofrido, e aquele que for fiel a Deus, será prospero, e muito feliz, o protegido de Deus.De repente, quem sabe você será um político brilhante, envolvido com as questões dos menos favorecidos?
        A politica precisa de políticos sérios , que trabalhem, e mude este país. Beijo!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here